23 de julho de 2013

Teaching love porra

-- 4 comentários:



Numa inocência tão doce nesse mundo tão maldoso, difícil cultivar uma flor feito ela. Difícil mudar alguém como ele. O invisível vinha dominando, vinha escrevendo o destino da pequena menina vinha mostrando que não poderia ser para sempre, vinha mostrando que nada era para sempre, ele negava, dizia que a amava e no meio do silencio a voz sussurrava “Ele te ama. Mas, você vai fechar os olhos e tudo vai acabar”
Quando se viu, já era amor. A vida já tinha outros tons, outras formas, outros sons. Já se acreditava que tudo tinha resposta bonita. Já se acreditava no sorriso mais belo do mundo, de um modo que só um apaixonado consegue fazer. E quando a arma estiver na cabeça de ambos a pergunta virá “Quem morre primeiro?" Eles responderam “Morreremos juntos”

LEIAM FAVORITEM E COMENTEM PORRA http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-teaching-love-961821

22 de julho de 2013

I can love - 30° capitulo

-- 57 comentários:
Nem todas lembranças, precisam ser lembradas.
Foi naquele momento que Anne viu o brilho que se formou nos olhos de Justin que, antes não existia ou por descuido ela nunca havia reparado. Naquele momento ele pertenceu a ela. Quando seus olhos se encontraram, cor de mel com azul, foi que ele percebeu o quanto necessitava dela. Agora não apenas para se livrar do passado e sim para ter um presente feliz, uma vida da qual ele nunca imaginou. Ela era a unica no mundo que faria ele larga tudo por ela, largar a velocidade, largas as lutas, largar a droga. Aposentar sua jaqueta de couro e seus cigarros.

- Vem

Ela o puxou para fora do restaurante, ela andava rápido o puxando e Justin só conseguia similar que ela tocava a mão dele por vontade própria.

Justin P.V.O

Tenho uma confissão a fazer: Eu estou com medo, medo de depender desse sentimento mais do que depender de respirar. Medo de ser personagem de mais um livro de drama sobre corações partidos.Medo de ela ser meu tudo e eu ser o nada dela. Medo de parecer frágil e o pior de tudo, medo de não ter ela. Eu estava terrivelmente encantando por ela, talvez, ela nunca possa ouvir isso da minha boca.Mas, na minha mente eu poderia fazer o bom uso do meu sentimento.

 Estávamos em frente ao cemitério e ela parecia lembrar aonde minha mãe estava enterrada. A minha mão apertava a dela enquanto a outra segurava a flor já um pouco mucha. A lapide da minha mãe estava cheia de poeira, nunca era visitada, nunca havia recebido nem uma simples flor. O chocolate amassado que eu havia deixado ali na primeira vez que eu vim, não estava mais ali. Ajoelhei e passei meus dedos pela lapide, tirando de leve a poeira. Botei a flor ali. A primeira flor que minha mãe recebia. 
 Anne se ajoelhou ao meu lado e ficou me observando, esperando algum tipo de reação. Seus dedos passaram pelo meu ombro em um carinhoso discreto e envergonhado, tirando de mim um sorriso também discreto.

- O meu pai tinha problemas com drogas - eu comecei a falar. Eu precisava tirar esse peso de mim - Toda a noite la estava meu pai, batendo em minha mãe, me batendo e batendo em minha irmã. - Senti meus olhos lacrimejando. Céus, por que eu era tão fraco?
- Não precisa contar se não quiser.
- Eu preciso - eu sussurrei.

Narrador P.V.O

" O relogio indicava 23:00 em ponto. Justin assistia televisão com sua mãe e sua irmã enquanto esperavam Jeremy chegar. Na verdade, cada segundo que passava Jazzy e Justin rezavam mentalmente esperando que seu pai nunca mais voltasse para casa. A porta foi aberta com toda a força e Jeremy apareceu, seus olhos vermelhos e o cheiro de droga o acompanhava. As preces das crianças não foram atendidas. 

- Você só fica cuidando dessas crianças. Você deveria arranjar um emprego mulher - Ele gritou - Estamos cheios de conta para pagar. 

- Alguém precisa cuidar das crianças - ela disse em seu tom calmo - e eu estou doente Jeremy, eu não aguentaria. Se você parasse de gastar nosso dinheiro com drogas, ajudaria bastante.

 E então o primeiro soco foi dado, o segundo, o terceiro. Jeremy estava incontrolável, estava gastando toda sua raiva ali, no fraco corpo da mulher. Ela gritava e chorava enquanto recebia mais socos. Sua roupa foi rasgada e Jeremy abaixou as calças e começou a se movimentar em cima da pobre mulher. Ele havia estuprado Pattie na frente de seus filhos" 


- Eu sou igual a ele Anne - Justin disse deixando a primeira lagrima cair
- Não você não é.
- Será que você não vê?
- Você mudou Justin. Você assumiu seu erro, isso te faz 10 vezes melhor que ele.
- Ele me obrigou, ele me queria igual a ele. Ele queria que eu fosse um drogado de merda.

Anne o puxou para um abraço. No calor do abraço de Anne, Justin não se sentia mais sozinho, não sentia a dor da solidão.Um abraço pode curar muitas dores e curou a Justin por segundos.

" Jeremy estava drogado, Pattie estava trancada no seu quarto a dias. Era perturbador para a cabeça de Justin, ele só queria fugir para longe daquela casa. Esquecer todos daquela família e viver sua vida sozinho. O pai jogou o segundo vazo de plantas no chão, o menino não aguentava mais, tampava seus ouvidos para não ouvir os gritos do pai, queria o socar.

- Você é um idiota Jeremy - Justin gritou pegando toda a sua coragem e depositando naquele grito que estava engasgado.

Foi um grito um tanto inesperado para ambos. Justin não sabia que tinha essa coragem dentro de si e Jeremy não sabia que Justin atreveria o desafiar algum dia.
- Você vai aprender a ser homem uma vez na vida
Ele deu um tapa no rosto do garoto. Justin sentiu seu rosto arder e sem ter tempo de se recuperar do primeiro tapa, recebeu o primeiro soco, o segundo e então o terceiro. Se sentia fraco por não conseguir segurar suas lagrimas. Jeremy empurrou Jazzy no chão e rasgou as roupas dela, a menina chorava tanto quanto o menino. O pai não ligava, ele se divertia com a dor dos filhos, ele gostava de provocar dor nos outros. Ele puxou as calças de Justin e jogou o garoto para cima da irmã.
- foda sua irmã - Jeremy gritou
O garoto chorava ajoelhado no chão
- você é um fraco Justin"

- Eu só não queria ser um fraco - Justin sussurrou - Foi naquela noite que minha irmã fugiu de casa, ela era mais velha que eu e simplesmente me deixou naquele inferno sozinho e no dia seguinte eu te ... - Justin não conseguia terminar a frase e Anne não queria ouvir o final da frase, era simplesmente passado. 


[...] Continua 

everytime she closed her eyes virou teaching love. porraaaaaaaaaaaaaa

Leiam a sinopse: 

"Numa inocência tão doce nesse mundo tão maldoso, difícil cultivar uma flor feito ela. Difícil mudar alguém como ele. O invisível vinha dominando, vinha escrevendo o destino da pequena menina, vinha mostrando que não poderia ser para sempre, vinha mostrando que nada era para sempre, ele negava, dizia que a amava e no meio do silencio a voz sussurrava " Ele te ama. Mas, você vai fechar os olhos e tudo vai acabar "
Quando se viu, já era amor. A vida já tinha outros tons, outras formas, outros sons. Já se acreditava que tudo tinha resposta bonita. Já se acreditava no sorriso mais belo do mundo, de um modo que só um apaixonado consegue fazer. E quando a arma estiver na cabeça de ambos a pergunta virá " Quem morre primeiro?" eles responderam " Morreremos juntos"" 

Meu perfil é esse: http://animespirit.com.br/swagfromcanada < será postado aqui. 
 Quem não leu everytime she closed her eyes leia teaching love. È a adaptação de closed her eyes e garanto que teaching love será bem melhor, eu vou mudar algumas coisas da fic, acrescentar outras. resolvi reescrever porque essa fic é minha segunda paixão e eu via que muita gente ainda comentava sobre ela no twitter. o primeiro amor é two is better than one além de eu ter apagado ela e sempre falar que ela é uma merda, foi ali que tudo começou então ainda a amo. Assim que eu acabar I can love, falta muito ainda, eu vou partir pro anime pq perdi a vontade de postar no blogspot pelo motivo de que o blogspot ta flopado toda hora dar erro e é uma merda. Tenho uma fanfic quase pronta que irá pro fanficobession assim que ele voltar ao ar eu vou mandar o Email pra betta. E é isso pedaços de botas.  Teaching love será postado essa semana ainda ou hoje. Quero postar hoje mas estou insegura não sei, esperar mais uns dias talvez. 

I can love será a ultima fic do sonhosdebelieberjb 

falem comigo no twitter @swagfromcanada

Quem tem conta no anime me adc como amigo la me observa sei la. 

Minha parceria com a mayara e a dricka foi excluida mas a gente respostou então vejam favoritem e comentem 

http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-somewhere-in-forever-948852

quem não tem conta no anime cria mesmo que não vá fazer nenhuma fic, cria para poder comentar a minha fic e de outras pessoas também. e faça crianças felizes. beijos 

Somewhere In Forever

-- 5 comentários:


Leiam a short fic Somewhere In Forever. Parceria minha com a Mayara e Dricka. A fic foi apagada e agora a gente repostou ( leiam ela aqui). Como é shortfic ela só tem um capitulo. A fic é inspirada na musica love will remember como a pedidos. Esperem que gostem, comentem, favoritem e divulguem. 

16 de julho de 2013

I can love - 29° capitulo

-- 41 comentários:
"Deixe que o beijo dure, deixe que o tempo cure.
Leiam a short fic  parceira com Dricka e Mayara


Ela sorriu, seus olhos ficavam lindos quando sorriam. Tão pequeninhos, puxadinhos e brilhantes. Justin estava encantados com eles, era de uma beleza que o mundo poderia parar para observa-los, eles eram marcantes naquele rosto branquinho e delicado. Ele não queria sentir como é amar, na verdade, não sentia como era amar. Nunca havia sentido, a não ser por sua mãe. Mas, agora pela primeira vez, sentia como era se sentir quente por dentro com apenas um sorriso. Seu corpo frio se tornava quente e seus lábios se puxavam em um sorriso carinhoso.Como não ficar encantado com as bochechas rosadas dela depois dele ter dito aquela frase?

- Suas bochechas ficam lindas assim
- A gente poderia ir embora? - ela disse claramente tentando mudar de assunto

Anne jogou algumas notas em cima da mesa e se levantou sendo seguida por Justin até o carro. O silencio permaneceu e Justin não achou que seria diferente. Anne faz o tipo de mulher que não sabe o quanto é linda, o quanto consegue conquistar qualquer homem com apenas um sorriso. Ela faz o tipo de mulher que você tem vontade de proteja-la em seus braços, esquenta-la e beija-la a tarde inteira. Faria a cabeça de qualquer homem virar, virou a de Justin. porque não a de qualquer outro? De uma pureza comparada a de uma criança de cinco anos. De um beijo comparado ao céus. De uns olhos comparado a estrelas.
 A carro parou em frente a mesma garagem de quando estavam indo e Justin desceu do carro sendo seguido por Anne.

- E ai Bieber?
- Fletcher esse carro é foda - Ele disse animado
- Eu sabia que você ia gostar
- Acho que estou apaixonado - Justin disse fazendo Fletcher rir
- Eu disse que ele era perfeito

Bieber deu uma risada fraca e pegou o capacete entregando a Anne. Ele acenou a Fletcher em forma de agradecimento e acelerou a moto.  O vento no rosto, a velocidade, as mãos envolta da cintura de Justin. Anne já estava se acostumando com isso e mais do que acostumando estava aprendendo a gostar.

- Porque você troca todos aqueles carros perfeitos, por essa moto velha?- Anne disse assim que desceu da moto
- Ei, me insulta mas não insulta minha moto. - ela riu
- Desculpa, mas você já parou para olhar aqueles carros?
- Nada supera minha moto
- Mas você amou aquele carro novo
- Aqueles carros são como meus amantes e minha moto é minha esposa. Me divirto com os carros mas sempre volto para a minha bela moto. Minha moto é perfeita - Ele disse fazendo a menina gargalhar
- Tchau Bieber - ela disse ainda rindo
- Tchau Steley

Ela entrou em seu prédio e deu uma ultima olhada em Justin antes dele partir com a moto. Não sentia mais o medo. Chega um momento que você é obrigada a esquecer o passado, esquecer tudo que passou e mudar. Não que ela acredite nele de olhos fechados, não era o caso. Mas, o tinha perdoado. Aquilo que doía em seu peito, tinha ido embora.


***

Tinha acordado mais cedo naquele dia e pela quinta vez estava se olhando no espelho se perguntando se estava realmente bonita para a hora do almoço. Estava com um vestidinho florido e uma sapatilha. Se olhou mais duas vezes no espelho e suspirou ainda achando que nunca ficaria bonita o suficiente. Pegou sua bolsa e fez o caminho para o trabalho. Estava com um sorriso irradiante só de lembrar que almoçaria com Dexter naquele dia.

- Oi Megan
- Você esta linda hoje
- Obrigada
- Isso tem alguma coisa haver com Dexter? - ela riu e as bochechas de Anne ficaram levemente rosadas em questão de segundos
- Sim Megan.
- Vocês vão almoçar hoje?
- Sim
- Você vai pra casa dele depois?
- Não Megan
- Mas seria a parte mais divertida
- Para Megan - Anne disse constrangida enquanto Megan gargalhava

***
O horário de trabalho de Anne já tinha acabado e ela estava dando mais uma olhada no espelho do banheiro do prédio onde trabalhava.

- Você se preocupa de mais - Megan riu
- Você diz isso porque não precisa fazer esforço para ficar perfeita
- Você também não. Qual é Anne, tem certeza que nós vemos a mesma pessoa? Porque para mim você é linda, qualquer homem ficaria babando por você
- Você diz isso porque é minha amiga

Ela suspirou cansada e logo depois devolveu o batom que Megan havia emprestado, ajeitou a bolsa no ombro e sorriu para amiga logo depois de se despedir. Foi caminhando ao restaurante que era duas quadras da onde trabalhava. Assim que entrou no restaurante o avistou, sempre pontual. Ele se levantou e deu um beijo tímido na bochecha da menina e puxou a cadeira para se sentar. O restaurante tinha um clima ótimo, nada muito sofisticado, Anne era o tipo de pessoa que preferia o simples e o acolhedor ao em vez do luxo. A conversa entre os dois fluía de uma maneira muito rápida. Tinham os mesmo gostos, pensavam a mesma coisa sobre vários assuntos e o mais importante, acreditavam no amor como o sentimento mais belo de todos, acreditavam que o amor estava acima de tudo. No outro canto do restaurante estava o loiro dos olhos cor de mel, seus olhos não saiam da mesma mesa, aonde Anne ria de qualquer coisa que Dexter havia falado. Os olhos de Anne e Justin se cruzaram e foi ai que Anne percebeu a presença do rapaz.
 Justin levava um sorriso triste e em sua mesa havia uma rosa solitária, ele brincava com suas pétalas vermelhas enquanto seus olhos ainda fitavam Anne tão intensamente que fez a menina sentir um arrepio e suas bochechas corarem. Dexter parecia nem perceber que a atenção da menina não estava mais totalmente para ele e sim na mesa do canto.

- Eu preciso voltar ao trabalho - Dexter disse assim que acabaram a sobremesa
- Tudo bem. O almoço foi ótimo
- Posso te levar para a casa?
- Não precisa. Obrigada, acho que vou ficar por aqui mesmo
- Tudo bem - ele beijou o rosto da menina e se levantou pegando seu paletó.

Assim que dexter passou pela porta, Justin automaticamente se levantou e se juntou a menina. Ainda carregando a rosa em sua mão.

- O que faz por aqui? - Anne perguntou assim que Justin se sentou - Me seguindo?
- Isso poderia ser uma hipótese. Mas, dessa vez foi a mão do destino - Ela riu
- Não vai me pedir para pagar um lanche para você, como de costume né?
- Não. Para sua sorte estou sem fome
- Minha carteira agradece - ele riu- O que faz com essa rosa na mão?
- Eu pensei em ir no cemitério hoje deixar essa rosa para a minha mãe. Mas, eu não consegui. Você sabe, eu sou um completo covarde.
- Geralmente ter medo não te faz covarde
- No meu caso, faz sim. É isso o que eu fiz a vida inteira Anne, ser covarde.
- Eu te perdoo Justin
- O que?
- Eu não tenho mais medo de você

                                                                                        [...] Continua

oi pedaços de bostas

Leiam http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-somewhere-in-forever-936642  é uma shortfic que eu fiz com a Dricka e com a Mayara. Como é uma shortfic ela só tem um capitulo, mas ela ficou fofa. Ela foi inspirada na musica love will remember. A ideia veio porque 3 pessoas me pediram para fazer uma fic inspirada nessa musica. A dri e a may gostaram da ideia e a gente se juntou para fazer. Leiam, comentem, favoritem e divulguem ela no twitter, falem sobre ela no twitter e pa

 obrigada pelos selinhos.

"você não tem respeito nenhum com suas leitoras!!! Se é assim , nem escreve mais mano!" fodaaaaaaaaaaaaaaaaaa-se olha que beleza de palavrão 

http://animespirit.com.br/fanfics/historia/fanfiction-idolos-justin-bieber-everything-starts-from-something-873761 < plagio

1 de julho de 2013

I can love - 28° capitulo

-- 61 comentários:
“Mas fica, meu amor quem sabe um dia por descuido ou poesia você goste de ficar”

O Sorriso de Justin nunca pareceu tão sincero como naquele momento. O sorriso da menina não estava tão diferente, ela ria como uma criança que brincava no balanço pela primeira vez. Ele passou mais um carro, estava em segundo e já estava batendo na traseira do carro da frente.

- Aposto que você não consegue passar ele.
- Se eu passar o que eu ganho?
- Um lanche
- Justo
- E se você não passar?
- pagar um lanche na minha companhia

Anne riu, aquele riso que Justin tanto aprendeu a gostar naqueles últimos dias. Lembrava uma criança inocente. Era isso que Anne era, uma criança inocente no corpo de uma mulher. Ah aquele corpo que deixava Justin tão louco. Mesmo que não falasse para ela, tinha sonhos com ela de quatro em sua cama, ela ajoelhada de frente para ele, enquanto ele tinha a visão dela fazendo um boquete maravilhoso, por vontade própria. Dela o beijando como se fosse só ele e ela no mundo, fazendo sexo até o sol nascer e se por de novo. O carro acelerou e cortou o carro da frente. Estavam em primeiros e a linha de chegada quase a frente deles, só mais uns segundos e Justin ganhava um lanche.

- Pode abrindo a carteira Steley - Justin riu assim que passou a linha de chegada.

Quando saíram do carro uma multidão tomou conta ao redor do carro. Aquele bando de pessoas gritando em volta, não se intendia uma palavra, pareciam um bando de macaco ao ver do Justin. Um homem moreno, alto e careca veio até Justin botando uma bolada de dinheiro na mão dele.

- fico feliz que voltou - o rapaz disse
- Também. Alias, aonde eu ganharia dinheiro fácil assim? - ele riu

***

- Um lanche Messer. Estou com fome

A menina riu e entrou dentro do carro, assim que botou o sinto Justin voou com o carro. Anne se perguntava, quantas multas o Justin levava? Com certeza não eram poucas. O carro parou em frente a uma lanchonete, ela estava quase vazia, tirando as cinco pessoas que estavam sentadas em algumas mesas. Assim que se sentaram na mesa de madeira, pediram seus lanches.

- Poderíamos fazer um acordo - Justin quebrou o silencio
- Que tipo de acordo? - A menina levantou a sobrancelha com um leve interesse no assunto.
- Você esquece tudo o que aconteceu entre nós dois. Me perdoa. Em troca eu te dou as novas experiencias que você tanto quer.
- Justin ..
- Por favor - os olhos de Justin era pura suplica
- Posso te fazer uma pergunta?
- Depende
- Por que você gritava aquelas coisas? Porque você chorava Justin?
- Um dia eu te conto - ele piscou para ela a fazendo dar uma leve risada
- O começo pelo menos?
- Acho que você sabe como é perder a mãe nova, não é?
- Mas nem por isso sai fazendo coisas erradas.
- Como você se sentiu quando sua mãe morreu?
- Sozinha, perdia. Doeu mais do que eu imaginava que poderia doer.
- Agora duplica essa dor. Consegue imaginar, como seria se você visse sua mãe morrer na sua frente? Morrer de tanto apanhar, ela te pedir para ajudar e você não poder fazer nada?
- Desculpa Justin, mas isso não é razão para você fazer o que fazia
- Você pediu só o começo - ele deu uma leve risada e bebeu um pouco do suco que o garçom havia acabado de colar na mesa.
- Poderíamos começar como se a gente não se conhece-se - ele disse
- Não é tão fácil Justin

Ele se levantou enquanto a menina ainda o encarava. Assim que ele saiu por aquela porta, Anne o amaldiçoou por deixa-la sozinha, sem ao menos saber voltar para casa. A porta da lanchonete abriu novamente dando a visão de Justin, com um sorriso no rosto, um andar despreocupado. Ele andou até a mesa aonde a menina estava sentada.

- Posso me sentar? - Justin perguntou
- Pode - a menina disse sem entender.
- Esta sozinha?
- Justin, o que ta acontecendo?
- Como você sabe meu nome, se eu ainda não me apresentei? - Ele disse fazendo Anne rir entendeu o jogo do menino.
- Estou em desvantagem. Você sabe meu nome e eu não sei o seu. - ele disse
- Anne
- E o que uma moça bonita como você, faz aqui sozinha?
- Um idiota me deixou aqui sozinha - Ela riu
- Então, acho que vou comer o lanche desse idiota.
- Acho que ele não vai se importar
- Se ele se importar eu meto a porrada nele, ouvi dizer que ele é fraco.
- Suas fontes estão corretas
- Ah sua trairá - ele disse rindo e tacando uma batata na menina

Por um momento Anne realmente acreditou que havia o conhecido naquele momento ou apenas desejou com todas as suas forças que isso fosse verdade. Nos olhos dele havia um brilho que ela nunca havia visto ou por descuido nunca notou.

- O que você gosta de fazer, moça bonita?
- Ler livros, ver filmes.Agora estou com um jeito meio suicida
- Jeito meio suicida?
- É, você sabe.. Correr em pegas com um homem no volante que não sabe nem dirigir mas que insiste em andar em alta velocidade.
- Quem era esse belo homem?
- Justin Bieber
- Ouvi dizer que ele corre muito bem e fica extremamente sexy no volante.

A menina riu e seu celular piscou " Sinto sua falta. Não esquece do nosso almoço amanhã - Dexter" foi impossível o sorriso da menina não aumentar. Sentia falta dele também. Ele era o poeta que sonhou todas as noites desde seus 13 anos. Quando fechava os olhos pedia com todas as suas forças um homem feito Dexter, que a amasse, fosse carinhoso e pudesse ler algumas poesias com ela, pudesse ficar animado com ela quando alguma das famosas peças de shakespeare fosse para a cidade. Quem sabe Macbeth, King John ou até mesmo romeu e Julieta que Anne já havia visto diversas vezes e nunca se cansava.

- Posso saber o motivo do sorriso, bela moça que conheci agora?
- Dexter
- Vocês mulheres são todas iguais - Justin riu
- Eu gostei dele. Mas, não vai dar certo
- Porque?
- Nenhum homem me aguenta muito tempo
- Eu aguentaria

                                                                                            [...] Continua

indicação . 




"E Se eu escrever flavia com acento você vai fazer o que?" te meter a porrada
" tomem no cu" " "se for com justin so de gravata eu tomo " que ousadia 

Brenda Maciel deveria casar comigo, te mostro meu pau imaginario . 

A nova fic, foi a que eu mais to me divertindo escrevendo. Na minha opinião esta ficando muito boa. O trailer da fic já esta quase pronto. Esse mês ou mês que vem eu divulgo para vocês. 

"nome completo veio, coloca rg, onde mora, a hr q nasceu, melhor amiga, ficante, peguete, pente, paixao, pai, mae, irmao. PELO FÉ VIU" E se o irmão for gato me bota como nora.

qual o twitter da dona do revlonfanfics.blogspot.com ?

http://imaginnebelliebers.blogspot.com.br/2013/06/i-can-see-better-day-capitulo-1.html  < PLAGIO, VAI NO COMENTARIO DELA E RECLAMEM QUE É PLAGIO. VAMOS SEUS PEDAÇOS DE BOSTAS. XINGUEM ELA NO TWITTER TAMBÉM EU DEIXO, TEM O TT DELA NO BLOG. VAMOS PEDAÇOS DE BOSTAS UNIDOS FOREVER GALERA. 

"Favia esse tumblr me lembrou a vc http://gozandopelamente.tumblr.com/" PLMD QUE URL PERFEITA, COMO NÃO PENSEI NELA ANTES?

 OBRIGADA PELOS SELINHOS, DIVULGUEM A FIC . CHUPEM MEU PAU IMAGINARIO E É ISSO AE.