26 de fevereiro de 2013

I can love - 11° capitulo

-- 34 comentários:
A realidade nos obriga a tirar os pés do chão.


Eu queria que ela fosse, queria que ela fosse meu amuleto.
  Ela estava pensativa. Por um lado eu queria que ela fosse e por outro eu tinha medo, ela seria uma porcelana no meio fio prestes a cair e se despedaçar. Ela parecia ser muito frágil para frequentar o meu mundo, muito frágil para levar o meu estilo de vida.

- Eu vou - ela disse decidia e me surpreendendo.
- Serio ?
- Todos dizem que eu deveria me divertir e experimentar coisas novas então eu vou tentar.- ela sorriu
- Mesmo sabendo que pode não gostar ? -eu perguntei ansioso
- Sim. Então, vai ser que horas ?
- As 10:00 horas
- Você não vai treinar ? - eu dei uma risada irônica e senti ela se encolher de medo.
- Não preciso treinar - Ela levantou as sobrancelhas parecendo me desafiar.
- Por que tão confiante ?
- Qual é, eu sou o melhor e além do mais, se eu não acreditar em mim, quem vai acreditar ?
- Bom pensamento. - eu ri- Que tipo de roupa eu deveria ir ?
- Bom, a maioria das mulheres que frequentam essas lutas, são tudo vadia, ou seja vestidos curtos quase mostrando a bunda - ela fez cara de nojo - mas eu prefiro que você vá com uma calça jeans e uma blusa, quero evitar olhares para cima de você.
- Porque quer evitar os olhares ?
- Acredite, não vai querer nenhum dos homens de la
- Você esta me assustando.
- Senhorita Steley, você se assusta com tão pouco. - sorri
- Não acho que seja pouco. - ele riu.

Anne P.V.O 

Eu dei mais uma olhada no espelho. Eu estava simples, assim como Justin pediu. Na minha cabeça eu já tinha idealizado varias vezes como seria o local da luta e todas as vezes eu sentia um calafrio passando pelo meu corpo. Eu não estava acostumada a frequentar locais assim, até porque os locais que eu frequento esta mais para uma biblioteca, um parque fresco que eu consiga ler um livro embaixo de uma arvore e o meu trabalho, nada muito diferente disso. Mas Justin estava me fazendo passar por novas experiencias, nada que fosse bom, Bebidas, lutas, apostas, mas ainda sim era algo diferente que poderia dar uma essência na minha vida que estaria muito parada a mais ou menos 2 anos, desde o meu ultimo namorado que não durou nem um mês, ele queria sexo e eu tinha medo.

  - Patric já enviou o endereço da luta. Vamos ?
- Vamos. - eu disse pegando minha bolsa

Ele esticou a mão para segurar a minha mas eu recuei e ele pareceu entender o recado, nada de pele na pele. Ele ainda me arrepia e acho que isso é bastante natural, eu ainda o olhava e via o passado passando diante dos meus olhos.

- Vamos em uma moto ? - eu disse assustada
- Sim, bote o capacete - ele disse me entregando um capacete azul
- Não, podemos pegar um táxi ?
- Não, iremos na minha moto
- Eu nunca andei em uma moto e acho que não é muito seguro - eu disse o olhando apreensiva
- Suba nessa moto, agora - ele disse sem paciência
- Acho que vou ficar em casa mesmo
- Anda porra, sobe nessa moto. - eu bufei e subi na moto enquanto botava o capacete
- Você sabe dirigir isso ?
- Mas é claro que eu sei, assim você me ofende.
- Tem carteira de motorista?
- Isso é um caso a se pensar
- Você não tem carteira de motorista ? - eu gritei
- Não, mas isso não quer dizer que eu não sei dirigir uma moto.
- Eu vou descer
- Não você não vai - ele disse irritado e dando partida na moto
- Segura em mim- ele disse irritado
- Não Justin, não vou segurar em você
- Então aumenta 50% de chances de você morrer
- Bieber - eu disse quase chorado
- Segura na minha cintura Anne - ele disse parando a moto aos poucos
- Não - eu disse chorosa
- Por favor Anne, eu não vou te fazer mal
- Eu vou voltar para casa
- Não, você não vai. Segure na minha blusa

Eu segurei com receio a blusa dele e ele deu a partida na moto, meus olhos estavam marejando e eu tremia com o contado da minha mão em sua cintura.

" - Por favor não faça isso - anne disse chorando enquanto se arrastava mais para trás
- Eu não tenho culpa - ele disse rasgando a blusa de anne enquanto ele chorava 

 O beco escuro estava silencioso e nele só se ouvia o grito de suplica de Anne e os gemidos misturados com o barulho de choro de Justin. Ela nunca havia entendido, nunca havia entendido o porquê daquilo. Ele a estuprava enquanto chorava e dizia não ter culpa pelos seus atos. Mas era obvio que ele tinha culpa, ele escolheu por isso.  " 

Ele estacionou em uma grande mansão abandonada. As plantas mal cuidadas, tomavam conta do jardim. Elas precisavam se aparadas, mas parecia que ninguém ligava para o tamanho do mato que se formava. Eu desci da moto enquanto ainda minhas mãos estavam trêmulas, minhas bochechas levemente molhadas pelas lagrimas que escorreram devido as lembranças. Medo, meu grande amigo, já posso te chamar de amigo né? Já que anda sempre ao meu lado, como um grande companheiro, o único que não me abandona, por mais que eu suplique para o tempo leva-lo de mim.

- Desculpa
- Pelo que ?
- Pela moto, eu não sabia que você agiria desse jeito
- Eu gostei do vento no meu rosto - eu sorri - eu realmente gostei.

Não era mentira, eu realmente tinha gostado do vento no meu rosto, dava uma sensação de liberdade. Eu olhei em volta e tinham várias motos em volta da casa, muito carros lindos, com homens encostados no mesmo, fumando tanto cigarro quanto maconha, seus copos lotados de cervejas e vodkas.

- Salve Bieber

Disse um homem alto, seus cabelos pretos tinham sido tingidos de um loiros mal pintado, seus braços eram fortes e cobertos de tatuagens, ele tinha uma posse de superioridade mas assim que chegou perto de Justin, essa sua posse foi se desfazendo. Ele parecia venerar o Bieber e isso me fez dar uma leve risada. Seu halito fedia a cigarro e a cerveja barata mas ele tinha um sorriso simpático em seu rosto.

- Quem é a bela donzela ? - ele disse beijando minha mão.
- Anne esse é Patric e Patric não tire os olhos dela enquanto eu estiver na luta.
- Pode deixar chefia
- E como anda Ethan ?
- Ele esta mais forte, aonde treinando muito assim que soube que você estaria de volta. Mas eu confio em você Bieber. Treinou ? - eu ri irônico
- Já me viu treinar para alguma luta ?
- Achei que você poderia estar meio enferrujado
- Acho que as brigas na cadeia podem ser considerado um treinamento.
- Bieber nunca muda - ele riu
- As apostas estão em que valor ?
- Já chegou a milhões Bieber, bateremos nosso record essa noite.
- Você leva quanto nisso ?
- 50% meu e 50% do campeão
- Tentador - eu sorri

                                                                                   [...]Continua

oi seus cuzões 
 Eu ia postar ontem essa fic mas eu escrevi e disse para mayara postar mas a arrombada não postou 

gente cometem que isso é plagio 
https://www.facebook.com/media/set/?set=a.146295415526165.32306.115869731902067&type=3

porra ta ficando chato todo dia vem alguém me dizer que estão me plagiando, serio cara tipo as minhas fics são meus bebes e esses arrombados vem  e plagiam u.u 

Bjão gotinha , quer dizer Flavia  " oh vida kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk olha o meu pau imaginario ai pra vcs

porra minha cara ta doendo pra cassete, tipo eu bati de cara na porta do meu quarto vi até estrelas 
 e tipo eu dormi na minha cama e acordei no CHÃO do quarto do meu pai, tipo como ?? 

http://ask.fm/LadyPudim < perguntem 



 < apertem esse caralho 

25 de fevereiro de 2013

I Can See Better Days - 2ª Temporada -15º capitulo

-- 14 comentários:


Vc:  Eu não posso faltar a consulta, só porque você tá de folga hoje. - falei enquanto me libertava de seus braços.
Josh: Isso é injusto, eu sempre tenho plantão ai quando recebo uma folga você tem que sair.
Vc: Eu volto bebê. - me virei pra ele e o selei.
Josh: Ok, a gente vai jantar juntos hoje, já reservei o restaurante que você gosta. - ele sorriu.
Vc: Sério? Ah! - o abracei forte. - Obrigada.
Josh: Tudo por você - sorrimos e nos beijamos.

P.O.V Justin

Brian: Pai, qual é o nome da menina que acabou de ir embora? - Brian falou enquanto comia seu cereal.
Justin: Eu não sei. - falei simplesmente passando a mão pelo meu cabelo.

Minha cabeça estava doendo, havia bebido demais ontem, como todas as noites que fiquei sem ela, que a perdi de vez. Coloquei a água em um copo e tomei algo pra que amenizasse a dor.

Brian: Mas foi você que disse que não se pode chamar estranhos pra casa. - ele falou inocente e pensativo. - E essa não é a primeira vez. Pra falar a verdade, é estranho, porque elas gritam a noite inteira e de manhã vão embora. Tem monstro no seu quarto pai.
Eu: Digamos que tenha uma cobra grande lá fazendo isso com elas. - ele me olhou assustado e voltou a comer seu cereal.

Voltei pra sala e liguei a TV, fazia isso o dia inteiro, era melhor do que me martirizar todos os dias por ter deixado a escapar pelos meus dedos de novo. Eu me sentia a pessoa mais burra da face da Terra e agora ela deve está curtindo com aquele cara. Mas se a vida me ensinou algo é que eu sempre vão haver dias melhores. O que me restava era esperar.

P.O.V Seu Nome

Agradeci o Dr pela consulta e fui para recepção pegar meus exames. Eu ainda não havia contado pra ninguém sobre a gravidez. Olhava aqueles exames do meu bebê e ficava me martirizando por dentro. Já pensei em contar pra Justin, mas ele estava melhor sem mim e eu queria acreditar que estava melhor sem ele. Josh sempre que dava ficava comigo. Ele me divertia, me alegrava, me satisfazia. Ele era perfeito.

Entrei no carro e fui pra casa. Iria tomar um banho e me arrumar melhor para encontrar novamente com Josh. Larguei minha bolsa e os exames no sofá e subi as escadas e fui para o banheiro. Me despi e liguei o chuveiro indo pra debaixo dele. Não demorei muito, fui para o quarto e coloquei apenas minhas roupas íntimas e me deitei. Ainda estava cedo, mas me sentia cansada, acho que é por causa da gravidez. Coloquei minhas mão sobre meu ventre e adormeci assim, acariciando levemente aquele pedaço do meu corpo.

[...]

Me celular não parava de tocar. Bocejei e vi no visor o número de Josh. Merda, o jantar. Atendi me levantando.

Ligação ON

Vc: Oi amor!
Josh: Oi, você estava dormindo? - ele perguntou desconfiado.
Vc: Desculpa, eu fiquei cansada depois da consulta e ... - ele me interrompeu.
Josh: Tudo bem. Como foi a consulta? -estremeci.
Vc: Foi boa, normal. - dei um risinho falso.
Josh: Eu to indo pra aí. Vou te buscar pra jantarmos.
Vc: Tudo bem. Bjs.
Josh: Beijos, te amo. - paralisei ao ouvir aquilo.

Ligação OFF

Desliguei o telefone e joguei o mesmo na cama passando a mão na cabeça. Olhei as horas e fui procurar algo pra me vestir. Achei um vestido bonito e elegante para a ocasião e separei o colocando em cima da cama.

[...]

Estava arrumando a maquiagem quando ouço o som da campainha soar pela casa. Fui até a porta a abrindo e recebendo um beijo surpresa de Josh. Ele sempre fazia isso, já deveria está acostumada com isso até.

Vc: Eu ainda não to pronta, vou ajeitar o cabelo e pegar o sapato lá em cima. Espera aí. - ele assentiu e eu subi correndo.

Calcei meus saltos preto e ajeitei meu cabelo fazendo algo simples mais que fosse elegante. Me olhei pela última vez no espelho e desci. Josh estava com meu exame na mão. NÃO!

Josh: Quando ia me contar que estava grávida? - disse sério.


                    Continua [...]

Olá!!! Tudo bem? Bom, mais um cap e to com preguiça de falar é isso shausha

PLAGIO!!!! XINGUEM BASTANTE OBRIGADA! KKKK >>>> https://www.facebook.com/media/set/?set=a.146295415526165.32306.115869731902067&type=3 

http://ask.fm/LadyPudim < perguntem



 recomendem esse caralho pelo rodis

@smilerDobiebs

23 de fevereiro de 2013

I can love - 10° capitulo

-- 27 comentários:
Ela o amou da forma mais linda como pode amar uma pessoa, tipo de amor que só acontece uma vez na vida.

- Minha avó lia para minha mãe e depois minha mãe leu para mim. Mamãe e papai se conheceram em uma peça de romeu e Julieta, ambos amavam essa historia e ambos estavam impressionados com a atuação, naquela noite eles trocam seus números e meses depois estavam apaixonados. Anos depois eu nasci e eles passaram para mim todo o amor pela literatura, me ensinando a magia que aqueles livros traziam e muitos não conseguiam entender como uma criança podia gostar daquilo e até mesmo intender aquela historia. Meus pais morreram em um acidente de carro em uma estrada deserta, quando a ambulância chegou, seus corpos estavam cobertos de sangue, eles estavam abraçados e no bolso do meu pai havia um papel, um papel que minha mãe havia escrito no começo do namoro. 

 " Assim que o amor entrou no meio, o meio virou amor, o fogo se derreteu, o gelo se incendiou.” - Romeu e Julieta

" - Mas mamãe eu também quero ir. - disse a garota com um vestido rosa enquanto pegava sua bolsa com algumas roupas suas. Ela também queria viajar.
  - Nós voltamos amanha filha, você esta com febre, vai ficar em casa.
- mas eu também quero ir no sitio 
- Nós vamos só para desejar parabéns ao amigo do papai e depois voltamos para ficar com você mas enquanto isso você fica aqui com a sua avó 
- Promete que volta amanha ? 
- Prometo Anne 

 E assim os pais de Anne saíram com um sorriso no rosto e entraram no civic preto, certos que cumpririam a promessa de voltar no dia seguinte. A menina da janela do seu quarto observava os pais darem a partida no carro naquela noite fria. 
   A menina acordou com um barulho de choro, vovó chorava e ela não sabia o porque. Nunca a tinha visto chorar antes, nem mesmo na morte de seu marido. 

 - Vovó ? O que houve ? Cade o papai e a mamãe ? Eles prometeram voltar
- Seus pais viraram estrelas das mais brilhantes - ela disse e a menina de oito anos não tinha entendido, mas por algum motivo nunca tinha se sentido tão sozinha, seu coração nunca tinha se sentido tão abandonado antes.  " 

- E de repente eu estava sozinha, e quando eu mais precisei de mim era quando eu estava mais destruída, mais deslocada, mais do que nunca eu me sentia abandonada, não tinha ninguém, só a mim mesma. Eles nunca tinham quebrado uma promessa e a promessa mais importante, eles quebraram. A promessa de voltar, de voltar para mim. Isso parecia ser de mais para uma menina de apenas oito anos.É por isso que esse livro é importante para mim, quando eu o leio é como se eu escuta-se a voz de papai lendo para eu dormir, é como se eu escuta-se a voz de mamãe dizendo o quanto romeu e Julieta eram incrível.

E quando dei por mim, Justin estava virando uma especie de psicólogo. Ele olhava para mim com carinho, como quem quisesse me abraçar mesmo de longe, como quem me ouvia e intendia meu sofrimento, quem me compreendia. 

 - Eles não pediram para morrer, Anne. - ele disse baixo fitando um ponto fixo.
- Eu sei, hoje em dia eu entendo. Foi o destino, a morte chega para todo mundo incrível é como ainda não estamos preparado para isso, não estamos preparados para sentir falta.

Ele permaneceu em silencio, um silencio agradável, um silencio que em meio dele haviam muitas respostas.

Justin P.V.O

Eu intendia , é claro que eu intendia a dor dela!
 Meu telefone tocou e eu logo tratei de atender

- Alô ?
- Salve Bieber - disse Patric
- O que quer ?
- Temos luta hoje 
- Com quem ?
- Era mais que obvio que Ethan não iria perder a oportunidade de revanche
- Que horas ?
- As 10 horas, te envio por mensagem o endereço. Sabe como são os procedimentos 
- Eu sei Patric. Endereço da luta só meia hora antes.
- Essa luta vai bater records Bieber. Imagine " A volta de Bieber contra o novo campeão " estou bastante animado. 
- Por tanto que entre dinheiro no meu bolso
- E vai entrar
- Espero 

E assim eu desliguei o telefone. Anne me olhava curiosa, eu queria leva-la para luta mas ela parecia tão delicada para enfrentar esses locais. Os lugares que Patric marcava para as lutas sempre eram lugares sujos, alguns pequenos outros grandes mas em sua maioria fedia a suor, cerveja barata e drogas. Os lugares sempre eram um pouco isolados para dificultar os policias, que já estavam na cola a um bom tempo .

- Sabe o que eu estava pensando ? - eu disse
- O que ?
- Vem para a minha luta hoje
- Luta ? - ela pareceu surpresa
- É, luta de rua. Não é um lugar que acho que você vai gostar. Bebidas, drogas, apostas mas eu quero que vá
- Eu tenho trabalho amanha e acho que esse tipo de lugar não é para mim. 
- Vamos, por favor 
- Justin não me entenda mal, mas não somos amigos
- Por favor, só dessa vez. 

Eu queria que ela fosse, queria que ela fosse meu amuleto. 

                                                                                           [...]Continua

oi pedaços de bostas. 

vaaaaaaaaaaaaaaai se ferrar todo mundo que ta rindo kkkkkkkkkkkkkkk 

é tipo 
" flavia toma logo essa porra " " pai isso não passa pela minha garganta, minha garganta fecha não passa, ai eu vou me engasgar e vc vai sentir falta " " se morrer enterra, agora toma " 

kkkkkkkkkkkkkk

tinha um garoto que eu ficava que falava que eu era problematica por n conseguir um comprimido pequeno kk ngm respeita o meu remédio de gotas u.u

http://ask.fm/LadyPudim < perguntem 



recomendem esse caralho pelo rodis

22 de fevereiro de 2013

I Can See Better Days - 2ª Temporada -14º capitulo

-- 23 comentários:
Se te fez ficar sem sono, e conseguiu te acordar com um sorriso, agarre com tudo, e faça feliz.


Senti uma ponta de decepção de saber que eles poderiam ser felizes sem mim, podiam sorrir sem mim e por um momento desejei fazer parte daquela família, desejei os lábios do Justin no meu, desejei aqueles olhos cor de caramelo me olhando com admiração enquanto eu estava nua em sua frente.

Josh: [ seu nome ] - ele me chamou 
Vc : Que ?
Josh : Esta distante 
Vc: Impressão sua
Josh : O que quer comer ?
Vc: O que você quiser

Ele chamou o garçom e meus olhos voltaram a mesa do Justin, passei a mão pela minha barriga e senti um aperto no coração. Como eu diria a ele que mesmo fugindo eu queria ele de volta ?

Josh : Como consegue ser tão linda ? - ele disse trazendo minha atenção a ele e fazendo minhas bochechas corarem 
Vc: São seus olhos. - abaixei a cabeça com o um leve rubor.
Josh: Eu amo os seus olhos. Olha pra mim. - sorri timidamente o encarando. 

Seu rosto se aproximou do meu, por que estaria tão nervosa? Isso já tinha acontecido antes, a presença de Justin ali me deixava trêmula. Quando percebi seus lábios estavam no meu. Não me mexi, comecei a mexer a boca e olhei pra Justin, ele me olhava com olhos arregalados. Fechei os olhos e me entreguei a Josh. 

Os pedidos chegaram e nós nos separamos. Não vi mais Justin e Brian ali. Não podia negar aquilo tinha me dado um aperto no coração. 

[...]

Uma semana se passou, uma semana que não via Justin. Todos os dias me encontrava com Josh e fazíamos algo juntos. Por sinal, agora estávamos vendo um filme na casa dele. Era um lugar bem bonito. Com os móveis modernos e bem luxuosos. Seu sofá era bem macio, dormiria ali tranquilamente sem ter dores no dia seguinte. 

Estava com a cabeça apoiada em seu ombro, meu traje era bem confortável, iria dormir lá hoje. Uma sombra em meu rosto me fez encara-lo. Ele estava olhando pra mim, estiquei meu pescoço e o beijei. Suas mãos abraçaram minha cintura me puxando contra ele. Puxei sua nuca pressionando mais sua boca contra minha. Josh colocou a mão por dentro de minha blusa e em seguida apertando meus seios me fazendo arfar. Me ajeite no sofá e tirei minha blusa, ficando de sutiã e com um mini short. O beijei de novo e comecei arranhar suas costas ja que ele estava sem camisa. Empurrei ele pra trás o fazendo cair deitado com um sorriso safado em seu rosto. Puxei seu short junto a cueca e liberei seu membro completamente ereto. Peguei na base e me curvei lambendo a cabecinha, vi Josh jogar a cabeça pra trás enquanto gemia. Abocanhei de vez e fui chupando e dando mordidinhas prazerosas. Senti suas veias engrossarem e fiz movimentos mais rápidos, não demorou muito para um jato quente invadir minha boca.  

Josh levantou e me beijou, rapidamente me colocou em baixo dele, suas mãos fora ágeis e abriram meu sutiã, sua boca brincava com meu mamilos rígidos, revirava os olhos de prazer. Ele chupou e beijou meu dois seios às vezes dando lambidas e mordidinhas deixando os mesmo com sucção. Seus lábios foram escorregando sobre todo meu corpo até chegar ao meu umbigo. Ele me olhou com um olhar safado e tirou minha vestimenta de baixo. Fechei meus olhos com força ao senti-lo me dando prazer em minha intimidade, com vários movimentos com a língua ele me deixava louca e logo gozei. 

Vi ele se posicionando a minha frente e logo o senti me penetrando, a velocidade que Josh ia era incrível, seus beijos em meu pescoço eram incrivelmente excitantes. Mordi meus lábios tentando prender os gemidos, mas aquilo parecia impossível, inevitável. Gemia ensurdecedoramente. Ouvir os gemidos roucos de Josh me deixavam mais virada ainda. Não demorou muito e gozamos juntos. Ele tombou em cima de mim pesando um pouco, mas não me importei o recém prazer era maior do que qualquer sentimento. 

Minha mente foi levada ao meu bebê, será que aquilo o afetava? Como iria conta sobre isso a Josh? O cansaço falou mais alto e acabei adormecendo ali mesmo, sem se importar com o peso sobre meu corpo. 


                Continua [...]

Oioioi gente, depois de anos postei, pois é aqui não é a Flavia ahahah é a Mayara sim aquela linda mesmo pois é.

Querem pedir capítulos?? Pode pedir aqui >> @smilerdoBiebs ou no ask do blog que a Flavis fez >>> http://ask.fm/LadyPudim

Divulguem comedores de Pudim ahahah Não vai cair o dedinho se cair a gente cola!




Beijooosss e é isso

Plagio : Comentem dizendo que é plagio para ver se ela se toca

-- 5 comentários:

21 de fevereiro de 2013

I can love - 9° capitulo

-- 34 comentários:
Eu escolhi você, sem ao menos ouvir as outras opções.




Ele riu. E por um momento eu não me reconheci. Por um momento eu tinha deixado de ser aquela garota medrosa, eu tinha virado apenas a garota que eu era quando tinha cinco anos ou menos, a garota que sorria por qualquer motivo, a garota que era feliz. Ele tinha dado aquele sorriso momentâneo e aquele sorriso fez o meu coração sair das sombras do passado, mesmo que fosse por alguns seguidos. Ele tinha sido a minha dor e por segundos mesmo sem saber, mesmo sem motivos, ele foi a minha cura. 

- É serio - eu disse parando de rir 
- Eu não tenho remédio de gotinha, é coisa de criança - ele disse ainda risonho 

Eu me levantei ainda com um sorriso escondido no meu rosto e fui para a cozinha, peguei um pedaço de um bolo velho e comi, ainda esta bom, ainda tinha o bom gosto da baunilha. 

- Meu deus, esqueci completamente - eu disse desesperada - Que horas são ? - ele olhou seu relógio de pulso 
- 11:00 horas, por que ?
- Eu deveria estar no trabalho as oito
- Eu liguei para o seu trabalho e disse que você estava passando mal - eu o olhei - o numero estava em um papel colado na porta da geladeira - ele disse se explicando 
- Se eu for demitida a culpa é totalmente sua, deveria ter me acordado. Era o minimo que poderia fazer - eu disse indignada 
- Desculpa, eu só não queria te acordar

A porta foi aberta rapidamente, fazendo nossos olhares se virarem para a mesma. Megan! seus cabelos loiros estavam bagunçados e suas bochechas estavam levemente vermelhas. 

- Megan ?
- Ah, você esta bem - ela soltou um suspiro cansado
- O que aconteceu ? 
- Jonh falou que você estava passando mal e eu achei que fosse por causa da bebida de ontem. Fiquei preocupada 
- Quem é Jonh ? - perguntou Justin
- Meu chefe, o qual, deve estar uma fera comigo. Eu o deixei na mão, logo hoje, que ele tinha uma reunião importante
- Ele reclamou, fez cara feia, mas sabe como é o Jonh, sempre vai te perdoar - ela riu 
- Não intendi 
- Qual é, todos naquele escritório comentam o jeito que ele da em cima de você
- Nunca percebi - dei de ombros enquanto Megan se sentava no sofá
- Só você, por que você é tolinha. - ela riu 
- Eu não sou tolinha. Eu só não costumo reparar nesse tipo de coisa 
- Mas deveria. E falando em homem, eu irei te apresentar a Dexter
- Quem é ? 
- Um amigo do meu namorado, ele é bem sucedido, adora essas bobagens que você lê, escreve poemas e é careta feito você. Então eu pensei, perfeito para Anne. - eu ri
- Pare de querer ficar me arranjando, Megan. Já disse que estou bem, sozinha. 
- Nesta sexta. As 8:30 - ela sorriu 
- Não Megan, não mesmo - ela sorriu maldosa e saiu pela porta ajeitando a bolsa no ombro. Evitando ouvir o meu discurso " de prefiro ficar sozinha " de meia hora

- Eu vou matar ela - eu disse me sentando apoiando a cabeça nas mãos 
- Qual o problema? É só um encontro 
- Olha para mim, você acha que ele se interessaria por alguém feito eu ?
- Estou olhando para você e não vejo problema nenhum. Até diria que você é linda
- Pare Justin, esta postura de fofo não combina com você
- Você não intende, não é mesmo ?
- Intende o que ?
- Venha cá 

Ele ergueu sua mão para me fazer segui-lo mas eu recusei, eu ainda tinha medo do seu toque. Ele intendeu o recado e foi andando até o banheiro e ficou olhando seu reflexo no espelho até eu quebrar um silencio que já me incomodava. 

- Ta, o que isso tem haver ?
- Se olhe no espelho - ele disse me dando espaço para que eu visse meu reflexo. 

Eu olhei para o espelho, eu vi uma menina de pele pálida, nariz delicado, olhos azuis que não tinham brilhos a muito tempo, cabelos lisos levemente enrolados na ponta que caiam bagunçados pelas costas, fortes olheiras abaixo dos olhos, leves pintinhas distribuídas pelo rosto. Por que alguém iria se apaixonar por aquilo ? 

- O que você vê ?
- Não é obvio ? Eu me vejo - ele revirou os olhos 
- Como se vê ? Descreva-se 
- Para que ? 
- Anda, faz oque eu estou mandando - ele disse já irritado 
- Magra, pálida, cheias de olheiras, cabelos mal cuidados 
- Então, nós estamos vendo pessoas diferentes. Eu vejo uma mulher de pele branca, cabelos brilhosos, olhos azuis lindos, uma boca bem desenhada. Qual é, todo homem em sã consciência iria querer essa mulher que eu vejo
- Não acho mesmo que esteja falando a verdade - eu disse saindo do banheiro 
- Não acredite. Faça o que quiser, mas quer saber de uma coisa ? Sua vida não vai mudar Anne, você vai continuar nessa merda de vida tentando se convencer de que é feliz, mas você não é. 
- Eu tenho uma vida solitária , mas ela é dentro da lei
- Mas continua sendo chata. 
- Você não intende Justin. Eu tenho meus medos e isso não some de uma hora para a outra. 
- Você deveria parar de ser lamentar Anne. 
Todo mundo é capaz de suportar a dor, menos quem a sente.”  Willian Shakespeare - citei uma de muitas frases de Willian 

Ele me olhou e sorriu de canto, se sentando no sofá enquanto eu o olhava esperando uma resposta. Mas sua resposta foi o silencio, apenas o silencio. Eu olhei para a mesa de centro da sala e meus olhos pararam no livro " romeu e Julieta " o livro que tanto me ajudou nos momentos difíceis. Os olhos de Justin se direcionaram ao mesmo e ele pareceu pensar por um tempo, abrindo a boca 1, 2 3 vezes e em todas vezes ele desistiu do que ia dizer, olhou o livro novamente e me olhou. 

- Por que gosta tanto desse livro ?
- é incrível, é diferente dos outros. Ele me ensinou que nem toda historia tem finais felizes.
- Qual o problema com os finais felizes dos outros livros ?
- São ilusionários. 
- O que tem de tão especial nesse livro? Ainda não entendo. 
- Minha avó lia para minha mãe e depois minha mãe leu para mim. Mamãe e papai se conheceram em uma peça de romeu e Julieta, ambos amavam essa historia e ambos estavam impressionados com a atuação, naquela noite eles trocam seus números e meses depois estavam apaixonados. Anos depois eu nasci e eles passaram para mim todo o amor pela literatura, me ensinando a magia que aqueles livros traziam e muitos não conseguiam entender como uma criança podia gostar daquilo e até mesmo intender aquela historia. Meus pais morreram em um acidente de carro em uma estrada deserta, quando a ambulância chegou, seus corpos estavam cobertos de sangue, eles estavam abraçados e no bolso do meu pai havia um papel, um papel que minha mãe havia escrito no começo do namoro 

 " Assim que o amor entrou no meio, o meio virou amor, o fogo se derreteu, o gelo se incendiou.- Romeu e Julieta  
                                                                                     [...]Continua 

oi pedaços de bostas 

vai explodir de todo mundo que riu dela não conseguindo tomar o remedio pq é baseados em fatos reais eu só tomo remedio de gotinha kkkkkk 

eu queria muito pedir para vocês divulgarem a fic por favor 


 

19 de fevereiro de 2013

I can love - 8° capitulo

-- 36 comentários:
Você é minha pira, minha brisa, meu motivo pra viver tudo com você

                                                                                  Capitulo dedicado a :Maria Fernanda Silva 



 - Anne vamos embora ? Esta ficando tarde - Megan disse
- Não, eu quero ficar mais - eu disse já sentindo minha cabeça girando depois de algumas latas de cerveja
- Eu cuido dela - o Justin disse a Megan assentiu 

Megan pegou sua bolsa que estava em cima da pequena mesa de madeira, deu um beijo em minha testa e deu um sorriso doce a Justin ,que apenas retribuiu com um sorriso seco, e ela se foi. 

Narrador P.V.O 

A menina sentia sua cabeça rodar, o sujo bar, Leroy's, parecia dar um roda completa de 360 graus. Ela definitivamente era muito fraca para bebida e Justin rui fraco ao perceber isso, Ele pegou seus únicos trocados do bolso e deixou em cima da mesa de madeira. É, aquilo seria o suficiente para pagar as latas de cervejas que eles haviam consumido. 

- Vamos Anne ? - ele disse botando a mão no ombro da pequena menina
- Quero ficar mais - ela disse decidida que permaneceria no local e beberia da tão pouco conhecida por ela, a cerveja. 
- Esta ficando tarde, Anne. Amanhã você precisa acordar cedo - ele disse pegando na pequena mão da menina e a ajudando levantar. 

Ele passou seus braços por volta do ombro de Anne, a ajudando a não perder o equilíbrio. Eles andavam pela rua gelada e Justin se esforçava para lembrar o caminho de volta para casa de Anne, afinal só tinha ido a sua casa apenas uma vez. Ele avistou o pequeno prédio e o reconheceu, chamou o velho elevador já sabendo qual era o andar, lembrava perfeitamente. 

- Anne, tire os sapatos e deite na cama para dormir. - ele disse ríspido assim que abriu a porta bege

A menina ainda permanecia sentindo sua cabeça rodar, seu corpo sentia calafrios e ela não sabia o porquê, talvez por estar tão perto de seu medo, tão perto do homem que ela procurou manter sempre afastado. E ela estava ali, tão indefesa, tão desprotegida. 
 Mas essa não era a intensão do garoto, pelo contrario, a intensão de Justin era a melhor possível  Cuidar de Anne. Ele ajudou Anne a sentar no sofá e tirou delicadamente seus sapatos de um salto não tão alto, os pés da menina eram tão delicados que fez o garoto passar a mão fazendo um ligeiro carinho. Anne jogou seu corpo para trás fazendo com que caísse de costas no sofá e soltando um riso fraco, e ali ela permaneceu caindo em um sono profundo. 
  Justin a admirou por um tempo, sua pele branca com algumas sardinhas quase imperceptíveis, sua boca rosada bem desenhada, seus cabelos longos e castanhos que caiam feito ondas pelas suas costas, seu ombro pequeno que a fazia parecer tão frágil. Mas ela era realmente frágil ou talvez fosse forte, uma força que até ela desconhecia.  Ele pegou a menina no colo e a levou para seu quarto, a deitando na cama e a cobrindo com um cobertor rosa bebe. Justin estava decidido a permanecer sentado naquele pequeno sofá até que ela acorda-se na manhã seguinte, para saber se ela realmente estava bem. Para que tanta preocupação ? Culpa talvez, culpa por ter feito tanto mal a ela no passado. Ah tão desconhecida culpa, que nesses últimos dias tinha o assombrado.  


Anne P.V.O 

" Ele a açoitava, a prendia na cama impedindo seus movimentos, pés e mãos amarradas. O suor caia pela testa de Justin enquanto as lagrimas caiam pelas bochechas de Anne. Naqueles olhos vermelhos do menino, só se conseguia ver ódio, raiva. Raiva?! Raiva dela ? ou dele mesmo? Ou até mesmo da vida? Ele penetrava nela sem dó, sem o minimo de piedade. A garota gritava de medo e dos lábios dele só saiam palavras sujas e alguns gemidos que ele repreendia "   


 Eu acordei soando, meus gritos ecoavam pelo quarto. " só mais um sonho Anne, só mais um sonho " eu repetia mentalmente, tentando gravar essa frase e me convencer que era apenas, só mais um sonho. Eu olhei para a porta e ele estava parado, escorado na porta. Eu fechei os olhos esperando que ele desaparecesse, assim, de repente, como um bom magico faz desaparecer  sua assistente em um de seus shows. Contei até 3 e quando abri meus olhos ele permanecia escorado na porta. Parado. Tentando entender o que se passava. 

- O que faz aqui ? - minha voz saiu mais tremula do que eu esperava 
- Eu te ajudei. Acho que merecia pelo menos um obrigada 
- O que faz aqui ? - eu repeti a pergunta enquanto sentia minha cabeça latejar 
- Você é muito fraca para bebida, Anne. Eu já deveria saber 
- Por favor - eu dei uma pausa e continuei - por favor, vai embora
- Você gritava meu nome, você gritava alto, se debatia enquanto dormia - ele disse ignorando o meu pedido e parecia um tanto assustado. Assustado?!
- Não é novidade para mim - eu disse me sentando na cama 
- Tem pesadelos ? Comigo ? - ele parecia apavorado 
- A maioria das noites - eu disse e mordi meu lábio inferior tentando não transparecer o quanto eu estava nervosa. 
- Eu trouxe para você - ele disse me esticando um copo de água e um comprimido enquanto tentava mudar de assunto. Ele parecia perturbado com a revelação 
- Para que isso ? 
- Dor de cabeça
- Como sabe que eu estou de cabeça?
- Isso se chama ressaca, Anne. E fico honrado de ter presenciado a sua primeira bebedeira - ele riu fraco e eu peguei o copo de sua mão e fiquei fitando o comprimido 
- Tome o remédio  Anne - ele disse assim que me viu olhar para o remédio durante um tempo 
- É grande
- É um comprimido normal, como qualquer outro
- Eu não consigo Bieber. Não consigo engolir nenhum comprimido. É difícil -  eu disse e ele pareceu se divertir com isso 
- Todo mundo consegue 
- Mas eu não - eu disse inconformada 
- Bebe a água, bota o comprimido na boca e jogue a cabeça para trás - eu disse tentando fazer o que ele pediu 
- Não consigo, tem remédio de gotinha ? - eu disse manhosa e ele riu 

                                                                                       [...]Continua 
oi pedaços de bostas .. .


ahahha geral decepcionado, era obvio que n ia rolar sexo... não vai rolar sexo até ELA implorar a ele . 

divulgando : www.imaginando-jasonmccan.blogspot.com 

 http://nothinglikeusimagine.blogspot.com.br/ 


tinha esquecido de falar no cap passado com eu ri com uma leitora que o nome é " fã da ib da Flavia " alguma coisa assim kkk ai tu clica e vai pro redtube kkkkk senhor é por isso que o brasil não vai pra frente 

http://ask.fm/LadyPudim < pergunta caralho 

 < qem apertar aqui eu indico duas vezes kkk grandes merda kkkk 

beijo na sua bunda peluda . 

17 de fevereiro de 2013

I can love - 7° capitulo

-- 38 comentários:
Vejo nos seus olhos seu jeito de amar, vejo no seu jeito o prazer de te amar!



Anne P.V.O 

Estou distante, distante de mim mesma. Totalmente perdida no escuro tentando me encontrar.   É, destino espero que tenha algo esperando por mim, não é possível os sonhos se perderem assim. Foi pensando que eu adormeci. 

   15 de julho, Segunda-feira - 7:00 horas 

O despertador tocou, me levantei cambaleando e fui para o chuveiro. A água quente caiu sobre o meu corpo e tomei um banho rápido e me enrolei na toalha rosa bebe, botei um vestido com um salto não tão alto e peguei minha bolsa, no caminho do trabalho parei em uma padaria e comprei um café. 

- Oi meg - eu disse assim que entrei no trabalho e me sentei em minha mesa que era um pouco perto da mesa de megan, que também era secretaria. 

- Oi anne, como passou o final de semana ? - Ela disse animada
- Preciso mesmo responder ? - ela riu 
- O que acha de eu te apresentar uns amigos do meu namorado ? Os conheci no sábado  e digamos que são muito lindos - rimos
- Estou dispensando 
- Não intendo por que evita tanto os homens, qual é, exite coisa melhor que homens gostosos ? 
- Não evito, só não quero um relacionamento agora - eu menti 
- E quando você vai querer ? Quando estiver com 60 anos e ninguém mais te querer ? 
- Nossa obrigada, megan - eu disse irônica o que fez ela gargalhar e voltarmos ao nossos trabalhos . 

[... ] 

- Tchau Meg - eu disse assim que meu expediente acabou 
- Vamos a um barzinho ? 
- Segunda-Feira megan ? serio isso ? 
- Mesmo se fosse sexta você iria reclamar. Vamos, por favor 
- Esta bem megan, mas que fique bem claro, que eu não vou ficar muito tempo 
- aah eu consegui - ela deu pulinhos de alegria 

Eu ri e peguei minha bolsa e fomos caminhando a um bar que de acordo com a Megan é muito bom. 

- Aqui é horrível - eu disse assim que entrei 
- Amiga o Leroy's é muito bom 
- O que tem de bom aqui ? 
- O Garçom - ela disse olhado para um homem alto e moreno, é, ele realmente era bonito
- Você não presta - ela riu 

Nos sentamos em uma mesa e ela pediu uma cerveja para ela e eu pedi um suco de laranja. 

-Suco de laranja ? - ela disse inconformada
- Qual o problema ? 
- Eu te chamei para a gente beber. B-E-B-E-R 
- Fique contente que eu aceitei vir . 

Eu fiquei olhando para todos ao redor, o lugar era um pouco escuro com mesas de madeiras por todo o local, havia um pequeno palco que não estava sendo usado no momento, o bar fedia a bebida barata e a cigarro. A maioria que estavam ali eram homens bêbados e eu me perguntava o que eu estava fazendo ali. Olhei para a porta e avistei um menino loiro entrando, aqueles fios cor de ouro totalmente bagunçados, na sua mão ele levava um cigarro e assim que ele me viu ele pareceu se assustar. Eu não estava surpresa de vê-lo, afinal aquele é um lugar bem a cara de Justin. Ele se sentou nos bancos altos em frente ao balcão e começou a conversar com o homem alto e moreno, que Megan tanto achou bonito. Justin me olhava e eu podia jurar que ele estava pensando se seria bom ou não ele ir até a minha mesa e eu rezava mentalmente pedindo que a resposta para a pergunta dele fosse não. Ele se levantou apagou o cigarro em um cinzeiro que estava no balcão e foi caminhando até a nossa mesa com duas latas de cerveja na mão . 

- Que lindo! - disse Megan assim que o viu vindo em nossa direção e eu permaneci em silencio 

Ele puxou uma cadeira e sentou na minha frente botando as duas latas de cervejas na mesa. 

- Trouxe para você - ele disse  empurrando uma das latas para minha frente
- Você sabe que eu não bebo - eu disse empurrando a lata de volta para ele 
- E eu já te disse que você não vai morrer por causa de uma simples lata de cerveja 
- Mas se eu beber essa cerveja, serão duas latas durante a minha vida. - ele riu sem humor 
- Vai por mim, duas latas não matam ninguém. - ele disse e eu me dei por vencida e peguei a latinha
- Oi, sou Megan 
- Justin - ele respondeu seco enquanto ainda me olhava 
- Não sabia que frequentava esses lugares - ele disse 
- É a primeira vez que eu venho aqui, eu praticamente fui obrigada 
- Logo vi que o Leroy's não é um lugar do seu tipo. Aceita mais uma cerveja ? - eu afirmei com a cabeça o fazendo chamar o garçom 
- E você o que faz aqui ? - eu disse bebendo mais um pouco 
- Venho sempre aqui

[...]

- Anne vamos embora ? Esta ficando tarde - Megan disse
- Não, eu quero ficar mais - eu disse já sentindo minha cabeça girando depois de algumas latas de cerveja
- Eu cuido dela - o Justin disse a Megan assentiu 

                                                                                               [...] Continua 


 < aperta esse caralho, qem apertar ganha um noite com o rodis #STILLPUDIM 

http://ask.fm/LadyPudim < perguntem qualquer porra

ai to afim de falar nada não beajs kk 

16 de fevereiro de 2013

I can love - 6° capitulo

-- 22 comentários:
Envolva-me com teus braços,puxa-me contra o teu peito, prenda-me feito laço que nos teus lábios me deleito.




  Anne P.V.O 

 Ele mostrou que dentro do seu coração existe algo bom ou talvez um grande artista mentindo descaradamente, é impossível saber antes que ele mesmo mostre ao contrario. 
  Eu tomei um banho e me deitei no sofá assistindo um filme qualquer, afinal, era essa a minha rotina. Sempre sozinha, sem festas, bebidas, namorados. Nada, apenas a minha companhia. Alguém bateu na porta eu já sabia que seria o sindico vindo cobrar o aluguel, me levantei pronta para encarar aquele homem mal humorado. Mas quando eu abri a porta esperando um homem do cabelo grisario e barrigudo eu encontrei um garoto loiro, olhos cor de mel e um rosto receoso esperando minha reação de o ver ali. 

- Justin ? - disse com medo 
- vim te fazer companhia - ele disse me mostrando algumas sacolas plasticas do mercado
- Vai embora
- Não - ele disse entrando e botando as sacolas em cima da mesa de jantar 

Eu fiquei escorada na porta o olhando atentamente, ele cruzou os braços e me olhou enquanto coçava a nuca

- Tem medo de mim, não tem ? - ele perguntou receoso e eu afirmei com a cabeça 
- As pessoas merecem uma segunda chance - ele disse 
- Mas não quando você fez o que fez comigo - eu disse baixo 

Ele me olhou e depois voltou a olhar para o que havia dentro das sacolas. É, eu estava curiosa para saber o que havia dentro, ele as olhava esperançoso 

- o que tem ai ? - perguntei receosa
- Chocolates, cervejas , coca-cola , pipoca, vodka e mais chocolates. E eu trouxe três filmes, eu não sabia qual tipo de filme você gostava então trouxe um de comedia, um de terror e outro de ação - ele disse tirando um por um das sacolas 
- Você errou todos os filmes que eu gosto - eu sorri de lado ainda escorada na porta 
- Eu sabia que se eu trouxe-se de romance eu teria que acabar vendo aquela porcaria então decidi não arriscar ter que passar duas horas vendo pessoas amando. Então, vai querer passar o domingo sozinha ou vai querer minha companhia ? 
- Sozinha - respondi e pude ver seu olhar de decepção

Talvez ele quisesse mudar, mas eu não posso ser essa pessoa que vá o ajudar. 

- Eu não sou tão ruim assim. ou sou ? 
- Toda a vez que eu olho para você eu lembro de tudo que você me fez, Justin . 
- Desculpa, eu só achei que se você me perdoa-se eu poderia seguir em frente - ele abaixou a cabeça e foi e em direção a porta deixando suas sacolas em minha mesa de jantar.

Justin P.V.O 

Eu estava decepcionado, era obvio que eu estava decepcionado. Eu desci pelo velho elevador e peguei a minha moto que estava estacionada em frente ao prédio dela. A moto a qual eu comprei com o dinheiro do assalto a banco que eu fiz com a ajuda de christian, meses antes de eu ser preso por outros motivos. 
  Estacionei a moto em frente ao bar que eu costumava frequentar, Leroy's . Quando entrei pude avistar os mesmos rostos de sempre, sua grade maioria homens e bêbados. Me sentei em um dos bancos em frente ao balcão. 

- Ian uma cerveja - eu disse ao atendente que eu já conhecia e assim ele botou uma lata de cerveja em minha frente. 
- Bieber! quanto tempo não da as caras por aqui - ele disse enquanto passava um pano no balcão 
- Estava preso - eu disse simplesmente
- Assalto, formação de quadrilha, trafico de drogas , qual de muitos delitos te levou aquele lugar?  
- Assalto, e eles dizem também, tentativa de homicídio mas acho que não foi muito bem isso. 
- Vai voltar a contrabandear drogas ? Tem muitos clientes novos na região 
- Não, vou dar um tempo. Vou voltar as rodas de lutas e aos pegas.
- Ethan dominou a roda depois que você sumiu 
- Eu sei, as noticias se espalham rápido - ele riu 
- Esta vendo aquela ali ? - ele disse olhando uma loira sentada em uma mesa sozinha 
- Gostosa - eu disse a olhando 
- Nova " Puta oficial " do Ethan 
- Ele anda escolhendo bem. Mas o que ela faz sozinha aqui ? Não é do estilo dele deixar suas mulheres sozinhas, ainda mais num bar como esse. 
- Não sei, só sei que chegou chorando e já deve estar na decima garrafa de cerveja. 
- Acho que vou resolver o problema dela 

Ele riu e eu me levantei deixando o dinheiro no balcão e indo em direção mesa da jovem loira. 

- Oi - eu disse sentando ao seu lado 
- Oi - ela respondeu ainda chorosa 
- Como se chama ?
- Julie
- Prazer, sou Justin . O que uma mulher linda faz aqui e ainda mais chorando ? - eu disse fitando seus seios 

Ela mordeu os lábios parecendo nervosa. Ah se ela soubesse como isso a deixa sexy, nunca faria isso perto de mim. Eu a puxei pelo cabelo e a beijei, ela pareceu se assustar mas acabou se rendendo ao beijo e levando sua mão para o meu pescoço. Minha mão passeava pela corpo dela até entrar por baixo da sua blusa. 

- Aqui não, vamos para outro lugar - ela disse ofegante e eu tinha certeza que a tinha deixado maluca. 

Eu me levantei e ela deixou o dinheiro em cima da mesa, passei meus braços pela sua cintura e a encaminhei até a minha moto. 

- Vamos de moto ? - ela sorriu animada 
- Sobe ai 

Eu disse e eu dirigi até o motel mais próximo, assim que chegamos pedimos um quarto e assim que eu abri a porta a empurrei na parede e comecei a beija-la, minha mão percorria todo o seu corpo enquanto a mão dela entrava pela minha blusa e arranha minhas costas. Tirei minha blusa com a ajuda dela e a joguei no chão e voltei a beija-la, minha mão entrou dentro de seu pequeno vestido e percorreu para dentro da sua calcinha 

- Abra a perna 

E assim ela fez para me facilitar, comecei a masturba-la eu brincava com seu clitóris e ela mordia os lábios repreendendo um gemido, enfiei dois dedos nela e ela gemeu em meu ouvido, cansei de brincar e tirei a mão dali e abri o zíper da minha calça  e a abaixei. 

- Me chupa - eu disse rude 

Ela se ajoelhou e desceu minha cueca e botou a boca no meu pau, sua língua brincava com a cabecinha do meu pau e isso me fazia ir a loucura, entrelacei minha mão em seus cabelos e comecei a empurrar sua cabeça para fazer movimentos na velocidade que eu queria e eu não estava ligando se aquilo iria caber na boca dela, ela que se vire. Quando senti que ia gozar puxei ela pelos cabelos e a beijei sentindo o gosto do meu pre gozo na boca dela. a joguei na cama e tirei seu vestido com brutalidade e o joguei no chão. Sem que ela espera-se enfiei nela, com força. Me apoiei na cama para ajudar com os movimentos enquanto ela gemia feito uma cadela no cio, minha boca foi para o seu peito enquanto eu ainda continuava com os movimentos e logo ela gozou. Fraca !
  
- Fica de quatro, agora - eu disse rude 

Ela obedeceu e estava evidente que a cadela gostava que a maltrata-se na cama. Eu tive a visão perfeita da bunda dela, eu enfiei com força e pude ouvir ela gemer de dor e prazer. Dei um tapa em sua bunda com força e os meus cinco dedos ficaram marcados em sua bunda e eu bati de novo e ela gemeu. 

- Me bate mais - ela disse com a voz fraca 

Eu puxei seus cabelos fazendo seu corpo ir para trás e dei um chupão em seu pescoço e a joguei na cama novamente. E voltei a enfia-la com vontade até senti meu orgasmo chegar, quando ele estava próximo sai de dentro dela e gozei na cara dele e ela lambeu os lábios.  Acho que poderíamos ir para uma segunda rodada.

                                                                                     [...]Continua 

vejam o blog da may  http://kidrauhlourhero.blogspot.com.br/

 << divulguem muitoo serio mesmo 

http://ask.fm/LadyPudim < perguntem nesse caralho 

e é isso ai tchau